Cachaça Seriema: orgânica, sustentável e condensada em vidro e cerâmica

A 100 quilômetros de Brasília, no município goiano de Luziânia, a Fazenda Engenho Seriema produz, desde 1987, a Cachaça Seriema. A branquinha é feita de forma artesanal, a partir de cana-de-açúcar cultivada de forma orgânica e sustentável e com condensação em cerâmica e vidro.

O produtor da Cachaça Seriema é o funcionário público brasiliense Massimo Jório Veiga de Lemos, 55. A propriedade na qual mantém os canaviais que se transformam na bebida tem 300 hectares e está fincada no bioma Cerrado. Da área total, 240 hectares são mantidos em estado de preservação primária. “A vegetação intocada serve de abrigo para inúmeras espécies de vegetais, insetos, répteis, aves e animais silvestres e configura-se um verdadeiro santuário”, descreve.

Todo o cultivo da cana-de-açúcar que serve de insumo para a produção da Cachaça Seriema atende rigorosos padrões de produção orgânica e sustentável, sem uso de fertilizantes sintéticos, venenos ou agrotóxicos. Os canaviais são próprios, recebem adubação natural e controle biológico de pragas. Todavia, a bebida ainda não conta com a certificação Orgânico do Brasil, o que deve ocorrer nos próximos meses.

A fermentação da Cachaça Seriema é natural e sem adição de qualquer produto químico em nenhuma etapa da produção. São utilizadas cepas raras de leveduras selvagens disponíveis no solo preservado de Cerrado. “Essas leveduras transformam o doce da cana-de-açúcar em álcool de extrema qualidade e são conduzidas das matas nativas ao canaviais por animais silvestres, pássaros, insetos, chuva e vento”, ensina Mássimo.

O processo de fabricação da Cachaça Seriema é resultado de muita pesquisa e respeita os ensinamentos seculares das regiões com tradição na produção das melhores cachaças artesanais do Brasil. Mesmo com essa referência dos saberes tradicionais, o modo de fazer a pinga do Cerrado trouxe uma inovação ao utilizar condensadores de vidro e cerâmica, técnica pioneira.

A fabricação do condensador de vidro e cerâmica utilizado pela Cachaça Seriema foi feita por um especialista na arte da vidraçaria. Mássimo encomendou o objeto a partir do modelo que é usualmente utilizado na condensação de cachaças, feito em cobre. “Os vapores do álcool são resfriados em cerâmica e vidro. Essa técnica previne a contaminação por cobre e elimina a necessidade de utilizar filtro para retirar o excesso desse metal”, explica.

Além disso, a Cachaça Seriema está em total sintonia com o consumo consciente e zela pela humanização das relações de trabalho, valoriza a mão de obra empenhada na produção e observa com rigor as normas trabalhistas. Sempre que possível, busca profissionais locais para desenvolver a tecnologia envolvida na sua fabricação.

A produção da Seriema é artesanal, limitada e as garrafas são numeradas. A marca privilegia os fornecedores locais porque defende o fortalecimento do desenvolvimento social regional e o rastreamento das cadeias de produção. Além disso, a cachaça preza pela história. “Os lotes da bebida têm nomes indígenas ou em Iorubá. Em respeito às nossas raízes”, informa.

Reconhecimento – Mássimo relata, orgulhoso, que compareceu ao encontro mensal da Confraria da Cachaça do Brasil (CCB), realizada em março passado no clube AABB, em Brasília, e levou a Cachaça Seriema para que fosse degustada pelos confrades.

Na ocasião, o confrade Lúcio Andrade Rodrigues da Cunha, degustador experiente, fundador da Confraria da Cachaça de Belo Horizonte e de Lisboa (Portugal), que foi presidente por duas vezes da CCB, deu nota 10 ao lote Irê (confira as fichas dos lotes da marca ao final desta matéria). Ele declarou que havia dado nota 10 a cinco ou seis cachaças em toda a sua vida.

“A avaliação do confrade Lúcio é um reconhecimento de suma importância nesse árduo caminho de produção de uma cachaça de excelência, que divido com todas as pessoas que participaram e participam dos processos de fabricação da Seriema, a Cachaça do Cerrado”, celebra Mássimo.

Conheça a linha de produtos da Cachaça Seriema

RESERVA PESSOAL
Envelhecimento: 
Tonéis de carvalho
Estoque em janeiro de 2017: 30 garrafas numeradas de 750ml
Preço: R$ 150 a garrafa
Comercialização: 1 garrafa por cliente
Histórico: Envelhecimento das safras de 2012 e 2013 em tonéis novos de carvalho de cinco litros durante 10 meses. A cor avermelhada, o aroma e o sabor formam um conjunto harmônico e a sensação gustativa registra uma cachaça aveludada.

OGÃ
Envelhecimento: 
Tonéis de jequitibá
Estoque em janeiro de 2017: 4 mil garrafas numeradas de 750ml
Preço: R$ 25 a garrafa
Comercialização: Mínimo de uma caixa com seis garrafas por cliente
Histórico: Mistura de sobras de cinco safras (2006 a 2011), incluindo de uma que passou por tonel de carvalho. Predomina o aroma do jequitibá, com cor e cheiro muito harmônicos. Recomendada para a feitura de drinks.

MAÍRA
Envelhecimento: 
Tonéis de carvalho ou jequitibá
Estoque em janeiro de 2017
: 2.680 litros
Preço:
 R$ 80 o litro
Comercialização:
 Mínimo de 10 litros, a granel, por cliente
Histórico
: Produzida de cana-de-açúcar de primeiro corte, da safra de 2012. Parte do lote está armazenado em tonel antigo de jequitibá e a outra em tonéis reformados de carvalho. Cachaça aromática e de sabor delicado, equilibrada e bem aveludada.

IRÊ
Envelhecimento: 
Tonéis de carvalho ou jequitibá
Estoque em janeiro de 2017
: 5.500 garrafas de 750ml
Preço:
 R$ 50 a garrafa
Comercialização:
 Mínimo de uma caixa com seis garrafas por cliente
Histórico: Produzida de cana-de-açúcar de segundo corte, da safra de 2013. A cor, o aroma e o sabor estão em perfeito equilíbrio e é frutada e aveludada.

AGÔ
Envelhecimento: 
Tonéis de carvalho
Estoque em janeiro de 2017
: 1.250 garrafas numeradas de 750ml 
Preço:
 R$ 50 a garrafa
Comercialização: Mínimo de uma caixa com seis garrafas por cliente
Histórico: Produzida de cana-de-açúcar de terceiro corte, da safra de 2014. Acondicionada em tonéis de carvalho muito utilizados, a madeira passou pouco cheiro e cor à cachaça. É marcada pela maciez, delicadeza no aroma e cor.

Serviço

www.seriema.com.br
Facebook: @cachacaseriema
Mássimo Jório: (61) 99997-1421

Deixe uma resposta