Empreendedorismo local: pilar para a sustentabilidade na moda

#EspecialFashionRevolutionWeek

Nesta quarta-feira (26), a terceira edição da Fashion Revolution Week 2017 – Brasília terá atividades da Casa Thomas Jefferson da Asa Norte (606 N). Até sexta-feira, você pode acompanhar tudo que rola nesse evento global na coluna Consumo Consciente. Uma excelente oportunidade de repensar sua relação com a moda.

A partir do tema Empreendedorismo Sustentável, o terceiro dia da Semana da Revolução da Moda brasiliense receberá para uma palestra com cerca de 1h15 de duração as empreendedoras Carol Nemoto, Yasmin Alkmim, Raquel Bogéa e a coachAdriana Lombardo.

A Carol, 35, nasceu em Porto Velho (RO), mas mora em Brasília desde os 11 anos. Ela é consultora de moda e design, trabalha com a proposta de descobrir novos conceitos em torno de formas, materiais, tecidos inteligentes e novas tecnologias. É dona da marca brasiliense Miwa, alinhada aos conceitos de slow fashion e moda sustentável.

carol-1-300x300“É importante pensar conjuntamente soluções para questões da moda, uma das cadeias mais importantes da economia mundial, como meios de produção, consumo e reaproveitamento de materiais.”
Carol Nemoto, dona da Miwa

A designer de moda Yasmin está a frente da loja MEBELISCA, de aluguel de vestidos de luxo. Ela é pós-graduada em Comunicação em Moda pelo IED (Istituto Europeo do Design), de Barcelona (Espanha).

Yasmin acredita que a maioria das mulheres não gosta de repetir o vestido de festa, ainda mais em uma ocasião com valor emocional. “Com o uso das redes sociais ficamos ainda mais expostas, e a sede pelo uso de um ‘new look’ em cada festa ficou ainda maior.

Mas e o consumo, como é que fica, questiona Yasmin. Como empreendedora da área de moda, ela consegue ajudar as clientes a realizar um consumo de moda pensado, alugando em vez de comprando a produção. O benefício é aumentar a vida útil da peça, afinal, quantas histórias um só vestido pode contar? “Eu te digo que no mínimo é possível quadruplicar a utilidade de um vestido”, afirma.

yasmindia3“Montar vários looks com a mesma peça, além de ser um exercício de criatividade, une moda a um consumo consciente, evitando acúmulos de peças em nossos guarda-roupas e contribuindo contra o desperdício de matéria-prima. Gesto que nosso planeta agradece!”
Yasmin Alkmim, empreendedora da Mebelisca

A brasiliense Raquel Bogéa é empreendedora criativa do Bosque Ateliê [contei a história dessa iniciativa aqui na coluna], que trabalha com tingimento natural e impressão botânica. É coordenadora do projeto Ateliê Rural, que capacita mulheres para a arte da costura na zona rural Lago Oeste. Atua no terceiro setor há mais de 10 anos como coordenadora de projetos de corte e costura e fotografia.

raqueldia3“Empreendorismo local e sustentável está ligado diretamente aos nossos comportamento, princípios e no que acreditamos de um mundo melhor, de trabalho justo, de direitos humanos. Eu vivencio esse conceito no meu dia a dia, a partir do meu estilo de vida sustentável da zona rural.”
Raquel Bogéa, empreendedora do Bosque Ateliê

 

master coach Adriana é graduada em Administração de Empresas, MBA em Gestão de Projetos, Mestre em Desenvolvimento, Sociedade e Cooperação Internacional. Atua para estimular a liderança global sustentável de instituições, negócios e profissionais de excelência.

Adriana fará a apresentação “Um novo mindset [mentalidade] para uma moda mais sustentável”, quando pretende – conforme antecipou em texto do Blog Adriana Lombardo – estimular a reflexão sobre o que orienta as escolhas de cada um no momento em que se compra uma roupa ou um acessório.

O trabalho de Adriana está voltado para ampliar a visão e a consciência, tanto de quem produz, vende ou compra produtos da indústria da moda. “Os impactos sociais e ambientais estão associados, ainda que indiretamente ou de forma inconsciente, com os itens que escolhemos para nos vestir ou adornar”, observa.

adrianalombardodia3“Muitos hábitos, preconceitos ou estereótipos, bem como a desinformação e a propaganda, influenciam nossas escolhas como compradores de produtos da moda. A partir do questionamento como #quemfezminhasroupas é possível começar a mudar essa realidade, escolhendo com mais consciência social e ambiental o que vestir.”
Adriana Lombardo, coach

Enquanto rola a palestra, a Sandra Lima ministrará a Oficina Costura Orgânica e Customização Criativa [confere no final da matéria o passo a passo para agarrar uma das 20 vagas]Ela é estilista desde 2006, quando estreou sob a supervisão do estilista Jun Nakao, no Capital Fashion Week. Trabalha com modelagem tridimensional e orgânica. Produz coleções cápsulas para a Novo Desenho, loja do Museu de Arte Moderna (MAM) do Rio de Janeiro, e para a marca Fernanda Yamamoto.


Bate-papo após exibição de The True Cost 

Na noite desta terça-feira, 24, no auditório da Casa Thomas da Asa Sul, foi exibido o documentário The True Cost. Eu fui uma das participantes da mesa-redonda realizada após o filme. Me fizeram companhia a embaixatriz de Bangladesh, Shumona Iqbal; a Rachel Pinheiro, consultora de moda sustentável; e a designer de moda Romilda Moreira. A representante da Fashion Revolution Week em Brasília, a designer Flavia Amadeu, foi a mediadora do bate-papo.

Shumona falou sobre a trajetória de Bangladesh como um dos polos globais da indústria têxtil. Ela comentou que a fast fashion intensificou o barateamento da mão de obra e sucateou as condições de trabalho. Hoje, ela mantém um trabalho social para arrecadar fundos e prestar suporte às vítimas do Rana Plaza, em especial as que ficaram com sequelas motoras, o Centre for Rehabilitation of the Paralyzed.

“Depois do incidente, que foi muito triste, nosso país intensificou as regras de segurança e a legislação trabalhista com ajuda de países como Holanda e Canadá. Tentamos tirar uma lição positiva dessa enorme tragédia.”
Shumona Iqbal, Embaixatriz de Bangladesh

Rachel Pinheiro, 36, é brasiliense e mora e trabalha em Londres (Inglaterra) há 13 anos. Participa do Fashion Revolution desde a primeira edição. Assina o blog ‘House of Pinheiro’ e conta com 70 mil visualizações mensais e 50 mil seguidores nas redes sociais. Ela destacou as diferenças entre as culturas brasileira e europeia. “Lá, o consumismo é menor, as pessoas já se questionam de onde vem as roupas, qual a mão de obra e os insumos, como é a situação das mulheres”, comentou.

A designer de moda Romilda Moreira, 39, é consultora em design e sustentabilidade, professora de corte, costura e modelagem. Atualmente dedica-se à pesquisa de moda, novas tecnologias e sustentabilidade. Ela falou sobre o poder da educação como multiplicadora do consumo consciente. “Precisamos conectar pessoas e saberes, valorizar o trabalho de toda uma cadeia produtiva, como artesãos, costureiras, trabalhadores manuais, valorizar o artesanato local, a cultura local, carregar o vestuário de conteúdo e significado.”

Assistir mais uma vez The True Cost apenas reforçou meu ponto de vista de que a degradação de valores éticos, a ganância desenfreada, a monetização da vida humana e a transformação do meio ambiente em um recurso industrial é o modus operandi da indústria de fast fashion. Eu aponto essa falta de escrúpulos como a principal causa de cada rachadura do edifício Rana Plaza, em Dhaka (Bangladesh), no dia 24 de abril de 2013, que ruiu e vitimou milhares de trabalhadores. Mas abriu os olhos do mundo.

Eu sou otimista e estou convicta – e tenho provas, acompanhe na coluna Consumo Consciente – de que há uma revolução em curso. Muitas pessoas despertaram para a urgência de repensar o atual modo de produzir, consumir e viver. Há um exército de desbravadoras e desbravadores de novas formas de pensar o mundo. São pessoas comprometidas com a sustentabilidade, a ética e o comércio justo e com o consumo consciente.

Nunca é demais recomendar: #compredopequenocompredequemfaz e sempre questione: #quemfezminhasroupas?

[A jornalista e amiga Patrícia Cunegundes gravou um pedacinho da minha apresentação e compartilhou neste post.]


Fashion Revolution Week 2017 – Brasília

26 DE ABRIL, QUARTA-FEIRA
Das 19h30 às 21h30
Casa Thomas Jefferson – Unidade Asa Norte (Maker Space – SGAN 606 – Bloco B – Asa Norte)
– Tema: Empreendedorismo local
– Palestra – “Empreendedorismo Sustentável” com cerca de 1h15 de exposição e espaço para perguntas e discussão.
Palestrantes confirmadas:
– Carol Nemoto (Miwa), empresa de moda contemporânea slow fashion.
– Yasmin Alkmim (MEBELISCA), aluguel de vestidos para festa
– Raquel Bogea (Bosque Ateliê), tingimento natural e impressão botânica.
– Adriana Lombardo (Adriana Lombardo – Coaching Executivo), “Um novo mindset para uma moda mais sustentável”.
– Oficina – Costura Orgânica e customização criativa sobre modelagem intuitiva e estêncil, ministrada por Sandra Lima (estilista). Disponibilidade de 20 vagas, custo: R$ 20* (mediante inscrição antecipada). Faça a sua inscrição neste formulário .

Serviço

Fashion Revolution Week 2017 – Brasília
De 24 e 28 de abril de 2017, de segunda a sexta-feira * Das 19h às 22h * Casa Thomas Jefferson – Unidade Asa Sul (SEPS 706/906 – Conjunto B Asa Sul) e Unidade Asa Norte (SGAN 606 – Bloco B – Asa Norte) * Loja Verdemanga, Shopping Pier 21 (Setor de Clubes Esportivos Sul, Trecho 2 Lote 32 Loja p03, Térreo – Asa Sul).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s