Feira Sintrópica das Agrofloresteiras: luta por equidade de gênero na roça

A Feira Sintrópica das Agrofloresteiras é uma das ações de um coletivo formado por mulheres, mães e agrofloresteiras do Lago Oeste e redondezas que resolveram unir forças para buscar a equidade de gênero na roça. Para entender a essência dessa iniciativa é preciso compreender a filosofia que sustenta o termo Sintrópica, o que nos leva a Ernst Götsch.

O pai da Agricultura Sintrópica (leia box neste post) defende que a força motriz da existência da vida é baseada no amor e na cooperação. Ensina que todos os seres vivos são equipados para entender uns aos outros e manter um equilíbrio. Esse modo de ver a vida congregou essas mulheres em uma irmandade de ajuda mútua. Conversei com uma das integrantes, a Luciana Felizola, 31, engenheira florestal e agricultora orgânica certificada. Junto com ela, integram o grupo a professora de artes Fernanda Rosas, 29, e a agricultora Renata Cadori. 

“Na roça, tudo pode ser feito por mulheres, desde o plantio e colheita até a escolha das culturas a serem consorciadas. Nossa motivação é plantar mais que um alimento orgânico. Gostamos de diversidade, pois acreditamos que essa é a melhor forma de cultivar sem o uso de agrotóxicos.”
Luciana Felizola, agrofloresteira

A equidade de gênero no campo é complexa. As mulheres agricultoras, depois que chega a maternidade, não têm creches públicas suficientes para deixar os filhos. Ao longo da gestação e durante o puerpério, a lida com a terra também fica mais complicada. O jeito é carregar os pequenos, o que fica mais fácil com a ajuda de outras mães. E assim se tece a rede de apoio feminina na roça. 

“Daí a necessidade das mães se unirem e produzirem juntas. O nosso coletivo das agrofloresteiras está unindo as mulheres e produzindo com as nossas crianças por perto.”
Luciana Felizola

A feirinha

O evento semanal é voltado para quem tem interesse em alimentos de qualidade, em frequentar uma feira em um horário alternativo, aprova iniciativas que empoderam mulheres do campo e ainda curte um bom dedo de prosa.

Todas as terças-feiras, das 16h às 20h, o coletivo de empreendedoras da roça se junta a outras mulheres para a Feira Sintrópica das Agrofloresteiras. Lá, você vai encontrar hortifrutis sintrópicos-agroflorestais fresquinhos, colhidos pela manhã; produtos de fitoterapia e aromaterapia; artigos naturais e artesanais feitos por mulheres; temperos frescos, conservas e brotos diversos; velas de cera de abelhas; cogumelos (shitake e champignon) e flores frescos; panelas-furadas (coadores de voal) e outras lindezas. Isso sem falar nos cosméticos naturais e óleos essenciais da Mariana Raiz e nos queijos veganos e grãos germinados da Sandra Nui.

A iniciativa conta com a parceira do Eleve Mercado Saudável, Sítio Semente, Sítio FlorescerSítio do Jazz, Sítio Raiz, Sítio Sintropia, Brotim de Amor, Beleza e Saúde ao natural: cosméticos e tratamentos com ervas, Naturart Raiz Ancestral.

O mago da vida e a Agricultura Sintrópica

Não dá para falar sobre Agricultura Sintrópica sem falar em Ernst Götsch. O suíço estudou e trabalhou, como geneticista, com melhoramento vegetal no país de origem até a década de 70.

“Mora com a família desde a década de 80 no Sul da Bahia. Quando chegou, a fazenda era um grande pasto degradado. Então, Ernest iniciou sua agricultura. Sem adubos químicos nem orgânicos, sem irrigação, sem pesticidas nem herbicidas. Ao invés disso, ele trabalhou com a vida e a vida transformou o lugar.

A fertilidade do solo aumentou, nascentes secas ressurgiram, as chuvas ficaram mais frequentes. Hoje, são abertas clareiras para cultivar hortaliças, grãos e raízes. Ao mesmo tempo, são plantadas sementes de árvore.

As espécies que nascem primeiro formam a placenta do “embrião floresta”. Dando início a um novo ciclo, mais complexo e fértil que o anterior. O trabalho dele é conhecido globalmente como Agricultura Sintrópica.

A fazenda Olhos D’Água produz uma grande variedade de frutas, madeiras nobres e um dos cacaus mais finos e valiosos do mundo. E guarda quase 40 anos de pesquisa aplicada em agroflorestas sucessionais.”
Texto extraído do vídeo sobre o trabalho de Ernst Götsch

Este vídeo abaixo foi gravado durante uma palestra de Ernst para o Seminário Fru.to – Diálogos do Alimento, realizado em São Paulo (SP) nos dias 26 e 27 de janeiro de 2018. O evento teve como questão central Como alimentar (bem) um planeta inteiro? e foi organizado pelo chef Alex Atala e pelo produtor cultural Felipe Ribenboim, em parceria com o Instituto ATÁ. O seminário reuniu 30 das mentes mais importantes dos ramos da sustentabilidade, ciência, gastronomia e representantes da indústria para debater estratégias e alternativas sobre como levar alimento de qualidade a uma população mundial que pode chegar a 8,6 bilhões de pessoas em 2030, de acordo com a ONU. Entre eles estava o pai da Agricultura Sintrópica. Confira:

Saiba mais

www.agendagotsch.com

Leia também

Eleve: alimentação saudável e valorização dos produtores locais
Mercado orgânico: impulsionado por soluções da economia criativa
Agrofloresta: alternativa ao modelo tradicional de produção de alimentos
Certificação de orgânicos: selo garante procedência dos produtos

Serviço

Feira Sintrópica das Agrofloresteiras
Terças-feira, das 16h às 20h
Eleve Mercado Saudável
SCRN 708/9 Bloco D Loja 7 – Asa Norte

 

Deixe uma resposta