Gabriella Rocha: Sebrae-DF e o cenário local da moda

A Semana Fashion Revolution – Brasília promoveu o Seminário Mercado Local de Moda Consciente, realizado na sala 1 das Comissões da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), no dia 25 de abril de 2018. O evento teve o apoio da Presidência da CLDF.

Foram apresentados painéis sobre moda circular (brechós, armário compartilhado e aluguel de roupas), mercado autoral (histórias de marcas, tingimento natural, manualidades e nova mentalidade para a moda consciente), negócios colaborativos (lojas colaborativas, suporte a marcas e coworking) e cenário local da moda do Distrito Federal.

Gabriella Rocha é coordenadora de moda do Sebrae DF e já fez atendimento a mais de 200 empresas de moda nos temas de planejamento, posicionamento de mercado e abertura de negócios. Formada em Relações Internacionais, com pós-graduação em Comércio Exterior voltada para empresas de pequeno porte e MBA em Gestão Empresarial com foco em Estratégia pela FGV, ela falou sobre o cenário local da moda consciente.

Ela  traçou um panorama do cenário local. Ressaltou que, com a crise, houve muita perda de emprego, diminuição da renda familiar e dificuldade de recolocação no mercado de trabalho.

“Empreendedorismo por necessidade ainda é o motivador da abertura de negócios. No País, 11 milhões de empresas foram criadas, nos últimos anos, por pessoas que precisavam de trabalho. Quem empreende por necessidade tem pouca experiência empresarial e pode enfrentar mais dificuldades em fazer o negócio prosperar.”
Gabriella Rocha

A coordenadora de moda do Sebrae-DF destacou que, nesse momento, a gestão é o ponto forte para que o negócio não quebre ou reduza suas atividades. Ela elencou que a gestão ideal do pequeno negócio envolve atributos como liderança e estratégias; finanças e caixas; gestão de pessoas e recursos humanos; comercialização, marketing e vendas; e operação, produção e processos.

Com relação à moda consciente, Gabriella afirmou que é uma das tendências para o futuro dos negócios desse segmento é a sustentabilidade. Ela citou que a economia circular e novas tecnologias possibilitam, por exemplo, tecidos feitos com algodão orgânico, reciclado e resíduos variados; a reciclagem química que transforma resíduos em novos tecidos sustentáveis; a coleta de coleções anteriores das grandes lojas; e tecidos inteligentes e novos nichos com roupas multifuncionais.



Confira a apresentação de Gabriella Rocha, do Sebrae-DF, no Seminário Mercado Local da Moda Consciente.

Deixe uma resposta