Fashion Revolution Forum lança primeira publicação com destaque para participação feminina

E-book gratuito reúne artigos sobre três eixos da moda consciente: modelo de negócios, material e mentalidade

O Instituto Fashion Revolution Brasil acaba de lançar o resultado da primeira edição do Fashion Revolution Forum. Um e-book que reúne artigos de autoria não só pesquisadoras e pesquisadores acadêmicos, mas também profissionais do mercado de moda, sustentabilidade e inovação. Chama a atenção a participação feminina na produção dos textos, de 36 artigos selecionados, apenas seis têm assinatura de homens. A obra oferece uma visão abrangente sobre os desafios da indústria e seus potenciais de expansão e inovação dentro de três grandes eixos: Modelo: o negócio da moda, Material: pessoas e planeta e Mentalidade: mudando o jeito que pensamos a moda.

O e-book foi lançado durante o Brasil Eco Fashion Week 2018, realizado em São Paulo (SP) de 15 a 17 de novembro de 2018. A seleção dos textos foi feita durante a primeira edição do Fashion Revolution Forum, durante a Semana Fashion Revolution 2018, em abril, também na capital paulista.

Acreditamos que essa abertura de diálogo seja essencial para promover transformações mais profundas nos processos de produção e consumo, para que enfim, as roupas sejam feitas de um modo mais seguro, limpo, justo e criativo.
Eloísa Arturo | Diretora Educação do Instituto Fashion Revolution e integrante do Comitê Organizador Fashion Revoluntion Forum

O tema Modelo: o negócio da moda tem como ponto de partida as transformações na produção e consumo da moda, que aumentou e acelerou drasticamente nos últimos 20 anos. Na última década, as empresas têm visto os preços de mão-de-obra, material e energia subirem, mas apesar do aumento de custo de produção, o valor pago pelas roupas está mais baixo do que nunca. Este sistema não está funcionando e os modelos de negócios precisarão mudar e novas soluções precisarão ser criadas.

O e-book traz 12 textos que abordam esse tema sob diversas e plurais perspectivas: gênero, plus size, design e interatividade, moda sustentável no Brasil, estratégias para o varejo, ecomoda, inovação cultural na moda, padrões de sustentabilidade, roupas para bebês, roupatecas, slow fashion e economia criativa e modelagem zero waste.

O segundo eixo temático, Material: pessoas e planeta, tem como pontos de partida, sob o aspecto das pessoas, que padrões de segurança e saúde ainda não existem para muitas das pessoas que trabalham na cadeia de fornecimento da moda e que heranças culturais e trabalhos artesanais estão sendo engolidos por produções em massa e corre-se o risco de perder técnicas antigas passadas de geração em geração em comunidades ao redor do mundo.

No que se refere ao meio ambiente, a publicação aponta que a moda tem um impacto devastador, como o uso de químicos desde as plantações até os processos de beneficiamento que poluem os rios ao redor do mundo e o gasto de uma quantidade enorme de água do começo ao fim do ciclo de vida dos produtos. A produção de vestuários corresponde a 3% de emissão global de CO2. Foram selecionados 16 textos que abordam certificação, algodão colorido, cases de calçados de pneus, Ecomaterioteca, projeto Suricata, figurino de teatro, renda renascença, uso de resíduos e roupas velhas; microplásticos, modelagem zero waste, riscos ambientais, biodesign e resíduos têxteis.

O terceiro tema, Mentalidade: mudando o jeito que pensamos a moda, parte do fato de que o processo de consumo da moda mudou muito nas últimas décadas. Para esse tema, foram selecionados oito artigos que tratam do case do slow fashion e a Revista Elle Brasil, de consumo de roupas de segunda mão no Rio de Janeiro e do blog Slowly; a moda como meio de transformação, brechós e consumo consciente, ativismo de design, autenticidade e slow fashion e mídias sociais e moda ética.

Consumimos em média 400% a mais do que há 20 anos. Precisamos quebrar este ciclo vicioso de velocidade e volume. Precisamos entender o verdadeiro curso de nossas escolhas e amar as roupas que já temos, fazê-las durar mais tempo. Comprar menos e com mais qualidade.
Eloísa Arturo | Fashion Revolution 

 

Deixe uma resposta