Uma rainha, duas primeiras-ministras e 12 primeiros-ministros

1563990109_258580_1563990398_noticia_normal_recorte1
Boris Johnson é 14º primeiro-ministro com quem a monarca britânica trabalha. Foto: Victoria Jones

Esta semana, a Rainha Elizabeth II começou a trabalhar com o 14º primeiro-ministro durante o seu reinado, que começou em 1952. O conservador Boris Johnson, excepcionalmente penteado, recebeu a tarefa de conduzir o governo em nome da soberana. O primeiro pronunciamento do novo líder afirmou que o Brexit foi uma decisão fundamental do povo britânico e é preciso respeitá-la, com ou sem acordo e que não há senões aceitáveis.

Em seguida, o primeiro-ministro passou a nomear seu Gabinete, o Executivo, que será marcado por perfis eurocéticos duros nos postos-chave e uma aposta na diversidade étnica e de gênero para vender uma visão otimista e rejuvenescida do Brexit à “Grã-Bretanha moderna”. 

Um dos possíveis membros da equipe de assessores de Downing Street é o polêmico Dominic Cummings – só confirmada extraoficialmente. Será a ressureição da carreira do chefe da campanha Vote Leave (vote para deixar) no referendo de 2016, tema de um telefilme sobre o marketing e uso de recursos informáticos dúbios para seduzir os eleitores. Foi dele a ideia de vender o Brexit com a mentira, estampada em um ônibus, de que a saída da UE garantiria centenas de milhões de libras para a saúde pública.

8dee1099196a3324dc294462bc3ee212_XL
O ator Benedict Cumberbatch dá vida ao marqueteiro Dominic Cummings. A HBO lançou no Brasil em janeiro deste ano o telefilme Brexit, em parceria ao Channel 4, BBC Studios e House Productions.

Com ou sem Brexit, ao longo dos últimos 70 anos, o estilo ultraclássico de Elizabeth II se manteve fiel à sua personalidade e ao cargo na monarquia britânica, com conforto e funcionalidade. Simbolicamente, a vestimenta real reflete o seu papel na democracia do Reino Unido, de neutralidade e tradição. A sobriedade colorida em contraste com a extravagância estudada da própria figura do novo primeiro-ministro, com cabelo louro-quase-branco cuidadosamente desgrenhado, permanente sorriso matreiro, terno azul amarrotado, montado na bicicleta e de mochila pendurada no ombro.

A chefe de Estado do Reino Unido tem papel cerimonial, incluindo algumas tarefas oficiais, como proferir o Queen’s Speech e inaugurar os trabalhos do Parlamento anualmente e determinar as políticas do próximo período de governo. É uma participação simbólica do processo político de uma instância isolada do Poder Executivo no país. A Coroa tem a Prerrogativa Real de atuar em diversas esferas, desde a emissão de passaportes até uma eventual demissão do gabinete. Na prática, as ações da monarca limitam-se às ‘recomendações’ ao Gabinete que comanda o Parlamento.

Vestidos largos, cores exuberantes, chapéus clássicos, luvas de algodão e náilon, os mesmos modelos de sapatos e a bolsa de mãos, além dos broches que se destacam. O outfit real se mantém por décadas. Elizabeth II usa peças com zíper e as mangas, preferencialmente, de comprimento três quartos. As barras dos vestidos sempre ultrapassam os joelhos e ela nunca tira o casaco em público. O uso de tons vivos e visual monocromático é para destacá-la da multidão. O esmalte deve ter cores neutras e claras. O uso de meias-calças nudes ou em tom semelhante ao da roupa faz parte do protocolo real.

Para os sapatos, os saltos não podem ultrapassar seis centímetros (2 ¼ inches, na medida inglesa). De tamanho prático, os modelos pretos que usa mais vezes ganham reforço na sola e ficam ainda mais confortáveis. São fabricados em couro de bezerro, nas cores preta, bege ou azul. Há três diferentes designs para cada modelo: em cetim, prata ou ouro.  Funcionários amaciam os calçados novos. A marca favorita da rainha é a Anello & Davide of Kensington, que usa há 50 anos. As peças são detalhadas e feitas à mão por quatro pessoas para cada par.

A soberana está sempre carregando uma clutch ou um buquê de flores em compromissos oficiais para deixar as mãos sempre ocupadas e manter o protocolo real para evitar que súditos toquem suas mãos inadvertidamente. Ela tem mais de 200 bolsas da marca Launer e os modelos que mais gosta são o Royale e o Traviata. É pela bolsa que se comunica com a equipe, quando cansou de conversar com alguém, troca a bolsa do braço esquerdo para o direito. Para que um jantar termine, coloca o acessório sobre a mesa.

As luvas da rainha medem 15 centímetros e são da marca Cornelia James desde 1947. Os lenços reais têm que ser Hermès. Os chapéus devem ter o tamanho certo para não esconder seu rosto. Em todas as ocasiões formais, é preciso usar chapéu até as 18h. A partir desse horário, apenas mulheres casadas podem usar tiaras e coroas. Ela seleciona guarda-chuvas transparentes – para que os súditos vejam seu rosto e os fotógrafos possam registrar seu semblante – e as bordas e cabos são de cores que combinam com o visual.

IMG_6857.jpg

O guarda-roupas de Elizabeth II foi assunto do livro Dressing the Queen (Vestindo a Rainha, em tradução livre), lançado em 2012 e ainda não disponível em português. Na obra, Angela Kelly, personal stylist da soberana desde 1994, conta em primeira pessoa alguns dos detalhes do estilo meticulosamente cuidado de uma das mulheres mais fotografadas do mundo.

A rainha sugere os tecidos para suas roupas e a estilista pessoal desenha quatro esboços para cada tipo de tecido. Após a escolha, a peça começa a ser desenvolvida. Na alfaiataria do Palácio de Buckingham, tudo é preparado para melhor atender Elizabeth. Os tecidos, chiffon, seda ou a organza, os mais usados por ela, são segurados ao vento para analisarem o caimento, para não correr o risco do efeito Marilyn Monroe.

Um time de estilistas cuida dos conjuntos e vestidos monocromáticos da rainha, que são elaborados com, no mínimo, seis meses de antecedência. Os modelos nunca se repetem e as cores e tecidos variam de acordo com as ocasiões, condições climáticas e gosto pessoal da soberana. As dobras são evitadas em suas roupas, assim, pequenos pesos são inseridos dentro das bainhas, de modo que o vestido sempre caia bem, principalmente quando Elizabeth desce de um carro.

Mesmo tendo um porta joias pessoal milionário, formado por joias de herança e muitos presentes, Elizabeth usa poucas peças da coleção. Quase sempre opta por brincos e colares de pérolas. Outro acessório marcante do seu look são os broches. E desde a morte do pai, o rei Jorge VI,  quando ela estava em uma viagem pela África e, ao chegar à Inglaterra, não tinha roupa preta para desembarcar de luto, ficou estipulado que todo membro da família real deve ter uma peça preta na bagagem.

Melhor Impressão

Na série The Crown, da Netflix, o oitavo episódio da primeira temporada tem uma cena informativa para a relação do vestuário da soberana com os interesses do governo. Em 1954, em plena disputa por Gibraltar, a rainha se preparava para uma viagem pela Commonwealth, organização intergovernamental composta por 53 países independentes na qual a monarca ocupa a posição cerimonial de chefe. Além disso, ela é soberana de 16 desses membros.

No episódio, um funcionário do Palácio de Buckingham apresenta à jovem rainha o enxoval da extensa viagem, que duraria seis meses: 100 vestidos, 36 chapéus e 50 pares de sapatos. Bermudas em organza, crepe de Chine e seda shantung para suportar o calor da Jamaica, Austrália, Ceilão (hoje Sri Lanka) e Uganda. As estampas reproduzem ramos de flores nativas originais de cada local visitado. Em Sidney, ela desembarcou com um vestido branco de organza salpicada de acácias amarelo-claro.

No seriado baseado em fatos reais, Elizabeth II argumenta que o número de peças é um pouco demais e sugere que pode ser feita economia. O súdito explica que a orientação do alto escalão do governo é causar uma boa impressão da Grã-Bretanha. A melhor impressão.

AwesomeScreenshot-Netflix-2019-07-25-21-07-99
Cena do oitavo episódio da temporada 1 de The Crown (Orgulho e Alegria). Reprodução Netflix.

Sete décadas de Reinado

Desde que subiu ao trono, a rainha Elizabeth forjou uma parceria com o primeiro-ministro e a primeira-ministra de cada época. E os registros de cada uma dessas fases traçam um panorama histórico da vestimenta real desde a década de 1950 até hoje. Foram 12 primeiros-ministros e duas primeiras-ministras. Confira a galeria e veja que o estilo da monarca é clássico e coerente. 

the-princess-elizabeth-of-great-britain-greets-winston-news-photo-1090631010-1563815247
Churchill serviu como primeiro-ministro de 1940 a 1945 e depois de 1951 a 1955., sendo o primeiro a trabalhar com a rainha Elizabeth II, que ascendeu ao trono em 1952. Acima, eles se cumprimentam durante a recepção de Guildhall em 1950. Foto: Getty Images
president-craveiro-lopes-with-prime-minister-sir-anthony-news-photo-834069380-1563815419
Anthony Eden foi o primeiro ministro do Reino Unido entre 1955 e 1957. Em 1955, ele e a rainha foram fotografados em uma apresentação na Royal Opera House, que foi realizada em homenagem à visita oficial do presidente português. Foto: PA Images / Getty Images
queen-elizabeth-ii-visits-british-prime-minister-harold-news-photo-117277527-1563815599
No meio do mandato de Harold Macmillan (1957-1963), a rainha Elizabeth foi vista visitando-o na Universidade de Oxford. Foto: Terry Disney / Getty Images
la-reine-elisabeth-photographiee-pendant-le-discours-news-photo-558646787-1563815741
Alec Douglas-Home serviu um curto período como primeiro ministro, de 1963 a 64. Ele participou de cerimônia em 1965 que homenageou o falecido presidente John F. Kennedy, Jr. (Ele está à esquerda da rainha nesta foto, sentado atrás de uma jovem Caroline Kennedy). Foto: Keystone-France / Getty Images
queen-elizabeth-ii-with-british-prime-minister-harold-news-photo-51858080-1563815992
Harold Wilson serviu dois mandatos como primeiro-ministro: de 1964 a 1970 e depois de 1974 a 1976. Em 1969, ele e a rainha foram fotografados juntos. Foto: Fox Photos/Getty Image
in-the-premiers-garden-checquers-nr-wendover-bucks-admiring-news-photo-515396156-1563816335
Edward Heath serviu como primeiro ministro de 1970 a 1974. Ele esteve com a rainha durante a visita do presidente Richard Nixon com sua esposa, Pat. Foto: Bettmann / Getty Images
british-prime-minister-james-callaghan-with-queen-elizabeth-news-photo-3247764-1563816505
James Callaghan foi o primeiro-ministro do Reino Unido entre 1976 e 1979. Aqui, ele chega ao Castelo de Windsor para almoçar com a rainha. Foto: David Ashdown / Getty Images
queen-elizabeth-ii-and-margaret-thatcher-visit-zambia-for-news-photo-57077415-1563816603
A Rainha Elizabeth e Margaret Thatcher viajaram para a Zâmbia para uma conferência da Commonwealth em 1979, o primeiro ano de Thatcher no cargo. Ela seria a primeira ministra até 1990. Foto: Anwar Hussein / Getty Images
queen-elizabeth-ii-in-diplomatic-meeting-with-her-prime-news-photo-618364766-1563816724
Durante uma reunião diplomática em 1999, a rainha Elizabeth homenageou o primeiro-ministro John Major. Major terminou seu mandato dois anos antes, tendo atuado de 1990 a 1997. Foto: Tim Graham / Getty Images
queen-elizabeth-ii-joining-prime-minister-tony-blair-at-news-photo-52112188-1563816904
Em 2002, a rainha Elizabeth celebrou seu 50º ano como monarca do Reino Unido com uma série de eventos, incluindo um jantar do Jubileu de Ouro no número 10 da Downing Street (residência oficial do primeiro ministro). Ela é retratada aqui naquele jantar com Tony Blair, que serviu como primeiro-ministro entre 1997 e 2007. Foto: Tim Graham / Getty Images
britains-queen-elizabeth-ii-laughs-with-prime-minister-news-photo-77750654-1563817058
A Rainha Elizabeth e Gordon Brown riem juntos na inauguração oficial da Estação Internacional St. Pancras, em 2007. Esse foi o primeiro ano de Brown como primeiro-ministro; ele concluiria seu mandato em 2010. Foto: Kirsty Wigglesworth / Getty Images
british-prime-minister-david-cameron-bows-as-he-greets-news-photo-465161938-1563817239
David Cameron cumprimenta a rainha durante uma cerimônia de boas-vindas ao presidente do México em 2015. Cameron ocupou o principal escritório do Reino Unido entre 2010 e 2016. Foto: Kirsty Wigglesworth / Getty Images
british-prime-minister-theresa-may-sits-with-queen-news-photo-948608416-1563817370
Aqui, Theresa May e a Rainha Elizabeth desfrutam de uma conversa durante a abertura do Encontro de Chefes de Governo da Commonwealth de 2018, no Palácio de Buckingham. May começou seu mandato em 2016 e, recentemente, deixou o cargo. Foto: WPA Pool – Getty Images
queen-elizabeth-boris-johnson-1563979388
Quando Boris Johnson se encontrou com a rainha em 24 de julho de 2019, ele se tornou o 14º primeiro ministro com quem a monarca britânica trabalha. Foto: Victoria Jones

Com informações de Town & Country, M de Mulher , Capricho, Veja, Blog Waufen, Público

 

Deixe uma resposta