Outfit Comuna: reusar para preservar

Reaca&Comuna-Reaca-Comuna-22-#22- 20Ago2019
Foto: Sérgio Lima/Poder360

No nono Outfit Comuna | Moda & Política Cynara Menezes, editora do site Socialista Morena, usa figurino de brechó para chamar a atenção para a necessidade de preservar os recursos naturais. Na 22ª edição do programa do Poder360, que ela apresenta semanalmente com Mario Rosa, o reaça offline, eles comentam as principais notícias da política nacional em uma semana marcada pelas queimadas na floresta Amazônica, que fizeram o dia virar noite na capital paulista.

Nesse episódio, os dois analisam as novidades da Vaza Jato, que mostram procuradores pedindo dados ao atual chefe do Coaf. Falam também sobre as circunstâncias da ida do deputado federal Alexandre Frota, expulso do PSL, para o ninho tucano.  Tratam da paródia feita pelo antiministro do meio ambiente, o ecocida Ricardo Salles, para ironizar Chico Buarque e o jornalista Glenn Greenwald. Além disso, abordam a divulgação, por parte da Embaixada da Alemanha, de um vídeo sobre florestas após críticas do presidente Jair Bolsonaro. Assista ao quadro (34min44seg):

Destruição da Amazônia

Nos últimos quinze dias, as chamas tomam conta de florestas e matas no Amazonas, Tocantins, Mato Grosso, Maranhão e Rondônia. Esse crime ambiental, potencializado pelo desmonte promovido pelo atual desgoverno da necropolítica ecocida, atinge em cheio a floresta Amazônica e chama a atenção de todo o planeta. Na tarde de quarta-feira (21), a hashtag #PrayForAmazonas estava entre os assuntos mais comentados no Twitter em todo o mundo — chegou a estar em primeiro lugar. No Brasil, a população levou um sacolejo da natureza ao ver o dia virar noite no último dia 19, quando o céu da capital paulista foi tomado por uma espessa fumaçaA nossa comuna tem dedicado várias postagens sobre esse crime contra humanidade em sua conta no Twitter.

Outfit Comuna

OutFit Comuna (logo)
Logo produzida por Jana Fernandes e Milena Fernandes para o blog.

Cynara usa vestido do brechó 2nd Best Hand. As fotos são de Sérgio Lima (Poder360).

2nd Best Hand

A proposta do brechó 2nd Best Hand (melhor segunda mão, em tradução livre) é inspirar novos comportamentos de consumo: compartilhar e reutilizar e, dessa maneira, contribuir com o uso racional dos recursos naturais.

A idealizadora da marca, a brasiliense Deni Moraes, morou entre 1995 e 2005 em Londres (Reino Unido). Na capital britânica, ela estudou o segmento têxtil na Central Saint Martins School of Art, quando aprendeu sobre o processo de fabricação de um dos mais populares tecidos do planeta: o jeans.

Deni atuou como personal stylist para clientes europeus e árabes e explorou os catálogos de marcas da moda internacional em Londres, como Joseph, Prada, Gucci, Miu Miu, Polo Ralph Lauren, Viviane Westwood, Emma Hopes, Zegna, Paul Smith, Boss, Armani, Gstar, Diesel e Mecca. No Brasil, trabalhou com a UMA Brasil de Raquel Davidowicz e atualmente faz parcerias com a Brava Blanc, Leve Cor e Filha de Amélia.

“Se a moda avança a cada temporada, as roupas de qualidade encontram novos cabides todo os dias. As peças clássicas, modernas e atemporais sejam de luxo ou populares desde a origem, incorporam-se à elegância pessoal com a mesma facilidade que o “bom gosto” transita no mundo do design e da moda.”
Deni Moraes, 2nd Best Hand

View this post on Instagram

Live the Style!! Verão é o Bicho!!!

A post shared by Deni Moraes Styling (@2ndbesthand) on

Moda e natureza

A Fashion Revolution Brasil, entidade da qual sou a representante em Brasília (DF), não ficou alheia às queimadas da Floresta Amazônica e usou as redes sociais para destacar que não existe moda sem planeta.

View this post on Instagram

Amazônia. Foto: @araquemoficial ⠀ A Amazônia é a maior floresta tropical da Terra. Está situada, majoritariamente, no Brasil: temos 60% do seu território, e o resto se divide entre outros 8 países da América do Sul. ⠀ Nos últimos dias, junto com o centro-oeste, nossa floresta vem sofrendo com incêndios que não eram tão intensos desde 2013, conforme o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Não há precisão de quando começaram, mas especialistas afirmam que são causados pelo tempo seco juntamente com a ação de moradores, fazendeiros e grileiros para expandir terrenos e áreas de cultivo. ⠀ A realidade das imagens e depoimentos é chocante e nos questionamos como chegamos a este ponto. Diversas seriam as respostas, pois complexos são os desafios que enfrentamos quando falamos em preservação ambiental e olhamos para nossos modelos de negócios, muito em decadência pela sua insustentabilidade. ⠀ A Natureza não é um mercado, tampouco nossa propriedade. Somos seus integrantes e temos responsabilidades, a níveis individuais e coletivos, em garantir sua proteção e regeneração, convivendo em harmonia. Porém, cada vez mais destruímos e exploramos em detrimento de sistemas bem artimanhados, domínios de poder e outros motivos de ordem econômica, social e cultural. ⠀ Diante desse colapso climático, se engajar não é – ou nunca foi – uma opção: as pautas ambientais são uma urgência. Garantir isso é garantir a vida na Terra. Mudar a consciência e ações particulares são importantes, mas olhar sistemicamente é necessário para projeção de políticas e ações no macro. ⠀ Algumas instituições atuam nessa luta: @renaturefoundation, @socioambiental, Instituto Centro de Vida (ICP), Imazon, @ipam_amazonia, @kanindebrazil, e outras. Precisamos fortalecê-las, precisamos nos atentar, precisamos nos organiazar. Se você conhece outras, deixe nos comentários! ⠀ E o que a moda tem a ver com isso? Tudo. Porque sem Terra não haverá nada, tampouco a moda que tanto insistimos em sustentabilizar.

A post shared by Fashion Revolution Brasil (@fash_rev_brasil) on

 

 

Um comentário

Deixe uma resposta