A Agenda 2030, a Moda e a Covid-19

POST 1.1 - ZOOM_ALESSANDRANILO (1)

Entre os dias 20 e 26 de abril no Brasil e em mais de 100 países será realizada a sétima edição da Semana Fashion Revolution. O movimento global, em respeito ao distanciamento social em decorrência da pandemia da Covid-19, fará todas as atividades on-line.

Em Brasília, a segunda atividade será um bate papo on-line entre a representante do movimento na cidade, Iara Vidal, e a jornalista Alessandra Nilo.

A conversa começará às 16h, do dia 20 de abril, segunda-feira, pelo Zoom. As duas vão trocar ideias sobre a Agenda 2030, a Moda e a Covid-9..

PARTICIPE!

A convidada

Alessandra Nilo é jornalista, especializada em Saúde e pós-graduada em Diplomacia. Cofundadora e cofacilitadora do Grupo de Trabalho da Sociedade Civil para Agenda 2030. Incide sobre agendas das Nações Unidas desde 2001 e participou de toda a negociação da Agenda 2030, inclusive como oradora principal no debate temático preparatório sobre “Parcerias”, durante a 69ª sessão da Assembleia Geral em 2014. 

Agenda 2030 e a moda 

Um dos setores que mais se transformou com a globalização foi o da moda. O segmento tem relação direta ou indireta com, pelo menos, quatro Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) 

ODS 5 – Igualdade de gênero
85% da mão-de-obra no setor da moda é feminina, sendo que apenas 15% dessas mulheres estão em posição de liderança. A moda também está diretamente ligada à questão de desigualdade de gênero.

ODS 8 – Emprego digno e crescimento econômico
O Brasil é a última cadeia têxtil completa do Ocidente. Temos desde a produção das fibras, como plantação de algodão, até os desfiles de moda, passando por fiações, tecelagens, beneficiadoras, confecções e forte varejo. Somos o 2º maior empregador da indústria de transformação, perdendo apenas para alimentos e bebidas (juntos), de acordo com a Associação Brasileira de Indústria Têxtil (ABIT), o que mostra a grande relevância da indústria da moda para a economia do país e para geração de empregos. A moda é um dos setores da economia mais vulneráveis ao trabalho análogo à escravidão.

ODS 12 – Consumo e Produção Sustentáveis
A exploração de mão de obra barata e de recursos naturais em países de economia periférica criaram condições para que a produção de moda acelerasse ao ponto de, ao invés de uma coleção por estação, passamos a ver uma por semana nas grandes redes de fast fashion (ou moda rápida, um modo de produção e consumo no qual os produtos são produzidos, consumidos e descartados rapidamente). A cultura do descartável se enraizou e revolucionou a maneira como consumidos. 

ODS 15 – Vida sobre a terra
A moda também desempenha papel importante para a garantia da vida na terra, quando consideramos que cerca de 25% do consumo mundial de agrotóxicos é utilizado no cultivo do algodão. Somado ao uso de transgênicos e da monocultura, esse cenário coloca em risco a biodiversidade e a saúde dos agricultores e de comunidades locais.

A Agenda 2030

Plano de ação com 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e 169 metas, voltadas para as pessoas, o planeta e a prosperidade de ambos. Ela busca fortalecer a paz universal com mais liberdade, e reconhece que a erradicação da pobreza em todas as suas formas e dimensões é o maior desafio global ao desenvolvimento sustentável.

Acompanhe a programação nacional em semanafashionrevolution.com.br 

Deixe uma resposta